Notícias › 16/08/2017

Cientista ateu: os milagres de Lourdes “tem algo de inexplicável”

Recentemente veio a lume um testemunho do médico francês e Prêmio Nobel de Medicina, Luc Montagnier. Ele é conhecido por ter descoberto o vírus HIV e também por classificar-se como sendo um agnóstico. Surpreendentemente ele disse que nos milagres de Lourdes “há algo inexplicável”.

A opinião do cientista e ex-diretor do Instituto Pasteur, saiu impressa no livro “Le Mointe Le Nobel” (“O Monge e o Nobel”) que inclui o diálogo entre Montagnier e monge cisterciense Michael Nissaut sobre o futuro da planeta e erradicação de doenças crônicas.

Das conversas chamou a atenção, justamente o farto de o cientista ateu, ao abordar o tema das curas milagrosas ocorridas no Santuário de Lourdes, referir-se a elas como sendo inexplicáveis: “Quando um fenômeno é inexplicável, se realmente existe, não se tem necessidade de negar nada”, afirmou Montagnier na conversa, e em seguida assegurou que “nos milagres de Lourdes existe algo de inexplicável”.

Esta é uma opinião que para muitos é um exemplo de coerência no mundo da ciência, que o mesmo Nobel de Medicina enfatiza chamando a atenção de alguns de seus colegas: “Muitos cientistas cometem o erro de rejeitar o que eles não entendem. Não me agrada essa atitude. Constantemente citam a frase do astrofísico Carl Sagan: “a ausência de provas, não é prova da ausência ”.

O livro menciona que o cientista estudou vários milagres de Lourdes, e que por isso afirma crer que são inexplicáveis: “Não me explico estes milagres, mas reconheço que são curas que não estão incluídas no estado atual da ciência”.

Montagnier também reconhece o importante trabalho que a Igreja tem feito no cuidado e acompanhamento dos enfermos, especialmente os portadores de HIV, tema que ele conhece muito bem por ser o descobridor deste mortal virus: “As ordens religiosas cristãs jogam um papel muito positivo no cuidado com os enfermos. Reconheço que, no âmbito da atenção hospitalar, a Igreja tem sido a pioneira”.

O cientista ateu afirma que nos anos de investigação do virus HIV, sobretudo nos primeiros, ele viu como constantemente a Fé e a proximidade da Igreja ajudava os enfermos a fazer frente à doença, sobretudo a não se sentir abandonados.

“É através desta experiência que tenho reconhecido sempre a contribuição pioneira e inestimável da Igreja no campo da atenção hospitalar”, sublinha.

Desde as aparições de Nossa Senhora a Santa Bernadete, em 1858, até nossos dias, foram registradas mais de 7 mil curas inexplicáveis em Lourdes. Não é em vão que ele seja um dos santuários marianos mais reconhecidos no mundo, junto com o de Fátima em Portugal, e o da Virgem de Guadalupe, no México. (JSG)

Por Gaudium Press, com Religión en Libertad

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

Comunidade Emanuel Brasil 2014 - 2017 © Todos os direitos reservados