Artigos › 28/06/2017

Modismos e imitações

O descompasso ético-moral que afeta fortemente a sociedade contemporânea explica também o fenômeno instigante da adoção fácil de modismos de todo tipo. Já as atitudes que merecem servir de modelo encontram resistências. Busca-se, a qualquer preço, conquistar certa “originalidade”, aceitando, sem critérios, aquilo que é exótico. Assim, as pessoas copiam gestos, atitudes e adotam traços de tribos urbanas para serem aceitas em determinados grupos. E tudo o que aparenta ser “certinho demais” é rechaçado. A simetria e o perfeccionismo são considerados obsoletos e fora de propósito. Cada vez mais, o que vale é fugir de padrões. Algo que se faz, paradoxalmente, adotando modismos.

A imitação, considerada “careta” e fora de propósito, consolida-se, de modo contraditório, em atitudes e no uso de objetos, roupas e gírias que têm força para promover a identificação com grupos que estariam fora dos considerados “padrões convencionais”. Os modismos contribuem muito para a formatação de identidades. Mais até do que princípios éticos e morais, necessários para promover desenvolvimento qualificado da cidadania. Isso, certamente, é também uma explicação para os procedimentos e posturas condenáveis que têm minado os funcionamentos de muitos setores da sociedade.

Esse fenômeno dos modismos tem, incontestavelmente, relação com a emergência hegemônica da subjetividade. Cada vez mais, os entendimentos, desejos e escolhas são definidos para atender parâmetros e expectativas individuais, mesmo quando isso possa significar prejuízo para os outros. O sentido social que faz o sujeito corrigir-se e balizar suas posturas de modo a não ameaçar o bem comum, não ferir a dignidade de outras pessoas, é gradativamente relativizado.

Assim proliferam comportamentos que alimentam o desarvorado desejo de fazer valer a própria subjetividade, mesmo que isso signifique gerar prejuízos para a coletividade. Vale tudo para conquistar a própria satisfação: princípios inegociáveis deixam de ser o ponto de partida para se alcançar metas. Fundamentos éticos e morais, quando percebidos como obstáculos na busca da satisfação pessoal, são facilmente relativizados. Desse modo, os sujeitos pautam suas escolhas e justificam atitudes alegando que têm o direito de fazer o que lhes convêm e lhes é mais prazeroso. Essa postura egoísta é camuflada em diferentes modismos, que ganham espaço facilmente talvez por sua pretensa característica de protesto, além da capacidade para alimentar o gosto pelo que desperta curiosidade, por ser inusitado.

Esse fenômeno torna-se grave quando se considera algumas de suas consequências: o quase não percebido processo de despersonalização, a séria supervalorização de indivíduos em relação ao coletivo e a adoção inadequada de práticas que tomam lugar de valores culturais importantes para os funcionamentos da sociedade. Obviamente, modismos não são avanços nas indispensáveis atualizações exigidas pelo mundo contemporâneo.

Mais importante do que a simples assimilação de certos padrões nos modos de ser e de agir, a partir de exacerbações da subjetividade, está a necessidade de superar preconceitos e adotar práticas alicerçadas em valores inegociáveis. Pensa-se muitas vezes que imitar algo, mesmo que seja bom, possa representar falta de originalidade. A subjetividade humana contemporânea se seduz muito facilmente pela presunção de ser referência única e inigualável. Por isso, muitos ridicularizam o uso de gestos e práticas, simples ou mais significativos, já vividos por outros. Classificam essa postura como “pobreza na criatividade”. Essas pessoas, normalmente, se enxergam como o ponto de referência no contexto social. Por isso, cometem um equívoco, pois imitar quem se dedica à bondade e espelhar-se nas pessoas que são referência no que fazem de importante para o desenvolvimento social são atitudes que fortalecem a cultura do bem.

Os modismos são fugazes. Mas imitar quem se dedica às boas ações e aos valores inegociáveis é contribuir para que toda a sociedade supere situações críticas, provocadas justamente pela falta de condutas éticas. A coragem de inspirar-se em quem promove o bem pode fazer crescer o apreço por imitações que farão muitos, idealmente todos, a repetir, despretensiosamente, gestos, ações e posturas orientadas pela bondade, o que garante o crescimento humano nos trilhos da verdade e da justiça.

Paulo apóstolo, consciente de sua tarefa e à luz da sua responsabilidade missionária, não deixou de convidar seus interlocutores a serem seus imitadores. Imitar quem faz o bem é um investimento que garantirá ao conjunto da sociedade a confecção de um novo e consistente tecido cultural, ancorado na bondade e na verdade que sustentam a justiça. Menos modismos, mais imitações de quem faz bem o bem.

Por Dom Walmor Oliveira de Azevedo – Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

Comunidade Emanuel Brasil 2014 - 2017 © Todos os direitos reservados