Notícias › 08/05/2017

Papa a futuros sacerdotes: amizade com Jesus se manifesta no amor aos pobres

Os jovens que escolheram seguir o Senhor no caminho do sacerdócio são chamados a cultivar a amizade com Jesus, que se manifesta de modo privilegiado no amor pelos pobres. Foi o que disse o Papa Francisco ao receber em audiência na manhã deste sábado (06/05), na Sala do Consistório, no Vaticano, a Comunidade do Pontifício Seminário Campano de Posillipo – sul da Itália – , ao todo, cerca de 120 pessoas entre estudantes e formadores. Trata-se da comunidade do Pontifício Seminário Inter-regional da Região da Campania, sul da Itália.

Após ressaltar a particularidade do Seminário fundado em 1912 por vontade do Papa São Pio X, ou seja, o fato de ser um caso singular no atual panorama eclesial italiano – único seminário diocesano na Itália dirigido pela Companhia de Jesus –, o Santo Padre desenvolveu seu discurso articulado em três aspectos da formação em vista do presbiterado: a amizade pessoal com o Senhor Jesus; o discernimento; e o abrir-se sempre mais à dimensão do Reino de Deus.

Educar segundo o estilo de Santo Ignácio – disse o Pontífice – significa, sobretudo, favorecer na pessoa a integração harmônica a partir da centralidade da relação de amizade pessoal com o Senhor Jesus.

Para isso, acrescentou, “é importante conhecer, acolher e reformar continuamente a própria humanidade. Não cansar-se de seguir adiante, reformar: sempre em caminho. Nessa direção, também a formação intelectual não tende a ser o simples aprendizado de noções para tornar-se eruditos – mas vocês não são um dicionário, eh? –, mas quer favorecer a aquisição de instrumentos sempre mais refinados para uma leitura crítica da realidade, a partir de si mesmos”.

Chamar as coisas pelo nome é o primeiro passo para o conhecimento de si e, por conseguinte, para conhecer a vontade de Deus em nossa vida.

“Queridos seminaristas, não tenham medo de chamar as coisas pelo nome, de encarar a verdade de suas vocês vidas e de se abrir de modo transparente e verdadeiro aos outros, sobretudo a seus formadores, fugindo da tentação do formalismo e do clericalismo, que são a raiz da vida dupla, sempre.”

O discernimento foi o segundo aspecto ressaltado pelo Papa. O tempo do seminário é tempo de discernimento por excelência, disse.

“Mas neste tempo o exercício do discernimento deve tornar-se uma verdadeira arte educativa, para que o sacerdote seja um verdadeiro ‘homem do discernimento’. Hoje, mais do que nunca, o sacerdote é chamado a guiar o povo cristão no discernir os sinais dos tempos”, acrescentou.

Para ser especialistas na arte do discernimento é preciso ter, sobretudo, uma boa familiaridade com a escuta da Palavra de Deus, mas também um crescente conhecimento de si mesmos, do próprio mundo interior, dos afetos e dos medos. Para tornar-se homens do discernimento é preciso ser corajosos, dizer a verdade a si mesmos.

“Educar para o discernimento significa ‘expor-se’, sair do mundo das próprias convicções e preconceitos para abrir-se a compreender como Deus nos está falando, hoje, neste momento, neste tempo, neste momento.”

Por fim, afirmou, formar-se para o sacerdócio segundo um estilo inaciano significa abrir-se sempre à dimensão do Reino de Deus, cultivando o desejo do “magis”, daquele “mais” na generosidade do doar-nos ao Senhor e aos irmãos, que sempre estão diante de nós.

Buscar o Reino de Deus significa fugir da lógica da mediocridade e do “mínimo indispensável”, mas abrir-se para descobrir os grandes sonhos de Deus para nós. Buscar o Reino significa buscar a justiça de Deus e trabalhar para que as nossas relações, as comunidades, nossas cidades sejam transformadas pelo amor misericordioso e justo de Deus, que escuta o grito dos pobres, disse ainda o Papa Francisco.

“A busca da verdadeira justiça deve estimular no chamado uma crescente liberdade interior em relação aos bens, aos reconhecimentos deste mundo, em relação aos afetos e à própria vocação. Liberdade interior em relação aos bens: quero ressaltar isso. É o primeiro degrau, não é bonito, eh? Não se esqueçam: o diabo entre pelo bolso, sempre; depois segue a vaidade, e depois o orgulho, a soberba; e assim vai.”

De fato, os jovens que escolheram seguir o Senhor no caminho do sacerdócio são chamados a cultivar a amizade com Jesus, que se manifesta de modo privilegiado no amor pelos pobres, de modo a ser “testemunhas de pobreza, mediante a simplicidade e austeridade da vida, para tornar-se sinceros e críveis promotores de uma verdadeira justiça social”, foi a exortação do Papa Francisco.

Por Rádio Vaticano

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

Comunidade Emanuel Brasil 2014 - 2017 © Todos os direitos reservados