Notícias › 06/02/2017

Papa: somos chamados a ser sal da terra e luz do mundo na vida cotidiana

O Papa Francisco comentou durante o Ângelus deste domingo, na Praça de São Pedro, o Evangelho do dia, o qual “ressalta as palavras de Jesus, que descreve a função de seus discípulos no mundo”. O Pontífice explicou que Cristo “utiliza as metáforas do sal e da luz e as suas palavras são endereçadas aos discípulos de todos os tempos e, portanto, também a nós”.

“Cada um de nós é chamado a ser luz e sal no próprio ambiente de vida cotidiana, perseverando na tarefa de regenerar a realidade humana no espírito do Evangelho e na perspectiva do Reino de Deus”, afirmou o Santo Padre.

Francisco destacou as palavras de Jesus, que diz aos discípulos: “Assim também brilhe a vossa luz diante dos homens para que vejam as vossas boas obras e louvem o vosso Pai que está nos céus”.

“Estas palavras – indicou – ressaltam que nós podemos ser reconhecidos como verdadeiros discípulos Daquele que é a Luz do mundo, não com as palavras, mas a partir das nossas obras. De fato, é sobretudo o nosso comportamento que, no bem e no mal, deixa um sinal nos outros”.

Nesse sentido, o Pontífice recordou que cada uma tem “uma tarefa e uma responsabilidade” pelo dom da luz da fé que recebeu. “Não devemos guardar como se fosse nossa propriedade. Somos, ao invés, chamados a fazê-la resplandecer no mundo, a doá-la aos outros mediante as boas obras”, acrescentou.

“A luz da nossa fé, doando-se, não se apaga, mas se reforça. Ao contrário, pode se apagar se não alimentarmos com amor e com as obras de caridade”, alertou.

A imagem dessa luz, indicou Francisco, se encontra com a do sal, o qual é um elemento que, “enquanto dá sabor, preserve o alimento da alteração e da corrupção”.  “Na época de Jesus – brincou o Pontífice – não tinha geladeira”.

“Portanto, a missão dos cristãos na sociedade é dar sabor à vida, com a fé e o amor que Cristo nos doou, e ao mesmo tempo manter distantes os germes poluentes do egoísmo, da inveja, da maledicência e assim por diante”, sublinhou.

O Papa Francisco explicou que “esses germes corrompem o tecido das nossas comunidades que devem, em vez disso, resplandecer como lugares de acolhida, solidariedade, reconciliação”.

“Para realizar esta missão – completou –, é preciso que nós, por primeiro, sejamos libertados da degeneração corruptora, das influências mundanas, contrárias a Cristo e ao Evangelho; e esta purificação jamais acaba, deve ser feita continuamente, todos os dias”.

Por ACI Digital

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

Comunidade Emanuel Brasil 2014 - 2017 © Todos os direitos reservados